INTERVENÇÃO POR OCASIÃO DOS 100 ANOS DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA MADEIRA

INTERVENÇÃO DO REPRESENTANTE DA REPÚBLICA PARA A REGIÃO AUTÓNOMA DA MADEIRA POR OCASIÃO DOS 100 ANOS DA ASSOCIAÇÃO DE FUTEBOL DA MADEIRA NO DIA 28 DE SETEMBRO DE 2016

Foi justamente há cem anos que foi dado o pontapé de saída para o nascimento de uma associação fundamental para a implantação do futebol na nossa Região e, podemos hoje dizê-lo, para a afirmação internacional do futebol português e da própria Região Autónoma da Madeira.

É certo que, em 1916, já tinham sido criadas outras associações de futebol, como a associação de futebol de Lisboa.

Mas em nenhuma delas se conjugaram condições próprias que singularizam a nossa Associação.

Antes de mais, porque veio dar sequência à posição da Madeira como “berço” do Futebol em Portugal; foi de facto aqui, num longínquo Verão de 1875, que na freguesia da Camacha, no Largo da Achada, se jogou pela primeira vez futebol em território nacional, e se deu o passo inicial para transformar um divertimento britânico numa paixão nacional.

Criada numa região insular, a Associação de Futebol da Madeira sempre lutou por ultrapassar as dificuldades que a periferia coloca à prática desportiva.

E soube fazê-lo não apenas através da afirmação de competições desportivas de âmbito regional mas também por via da formação de jovens futebolistas permitindo, dessa forma, a inserção social de muitos e a projeção do talento de outros.

Minhas senhoras e meus senhores,

O futebol é mais do que um jogo ou um espetáculo.

O futebol representa, nos nossos dias, um elemento de identificação social e cultural que merece a nossa reflexão, o nosso carinho, o nosso empenho.

No momento em que alguns Estados se fragmentam e em que a União Europeia se debate com uma crise sem precedentes, encontramos no futebol uma harmonia por todos compreendida.

Porque o futebol concede‑nos um sentimento de pertença e de partilha, que reforça laços de identificação como comunidade,

Porque quem está no futebol melhor compreende valores como a solidariedade, a entreajuda e, não menos importante, aprende a comportar-se com “fair-play” em todas as circunstâncias da vida.

Tudo isto ficou patente na recente vitória no campeonato da Europa que permitiu, a todos nós, reforçar o sentimento de Portugalidade.

O futebol cumpre, igualmente, um papel determinante na nossa Região.

Pela visibilidade e impacto económico gerado, sobretudo pelo futebol profissional.

Mas também pelo papel social fundamental que cumpre, movimentando milhares de jovens e famílias para as competições que esta Associação organiza nos cantos mais recônditos da Madeira e do Porto Santo.

A Madeira é, hoje em dia, um destino mundialmente conhecido devido, também e naturalmente, a Cristiano Ronaldo.

Mas Cristiano Ronaldo não teria sido o que é hoje se não fosse a Associação de Futebol da Madeira – creio que ele o sabe bem.

O melhor futebolista do mundo nasceu do labor desta associação e das competições infantis e juvenis por esta organizadas.

Permitam-me, por fim, que divulgue publicamente o gosto que tenho pelo futebol.

Incluo-me nos muitos milhões que, ao vivo ou no sofá, gostam de ver futebol.

E sou dos que genuinamente vibram com o sucesso das equipas desta Região.

É por isso, para mim, uma honra poder associar-me ao vosso aniversário.

E poder simultaneamente homenagear todos os dirigentes desta Associação – antigos e atuais ‑ que, de forma abnegada, se sacrificaram e sacrificam para que o futebol continue a ser uma das âncoras da nossa sociedade, nomeadamente proporcionando aos mais novos o acesso a uma prática desportiva que molda, indelevelmente, o seu carácter.

Conheço algumas das dificuldades da Associação como sejam a escassez de recursos financeiros ou os obstáculos que se colocam à efetivação do princípio da continuidade territorial.

A este propósito, permito-me sublinhar que a continuidade territorial constitui um dos princípios estruturantes da autonomia regional que decorre da Constituição da República e do Estatuto Político-Legislativo.

 Estando presente em diversos domínios, a continuidade territorial deve também refletir-se, naturalmente, na atividade desportiva e no futebol em particular.

Estou, por tudo isto, profundamente comprometido, vigilante e atuante para que tal princípio seja afirmado em todos os domínios, no respeito pela unidade e coesão nacional.

Por fim, quero que saibam que, como sempre, podem contar com a minha solidariedade, apoio e empenho.

E quero reiterar que todos nós contamos com o trabalho da Associação de Futebol da Madeira.

Passaram cem anos.

Muitos e sinceros parabéns!

É agora tempo de olhar para o futuro.

Que venham mais cem anos e outros tantos títulos, para satisfação de todos, para a projeção do futebol nacional e, em especial, do futebol Madeirense !

Muito obrigado a todos.